Os sistemas automatizados do YouTube seguem bloqueando vídeos por solicitação de direitos autorais. Na última segunda (18) a vez foi do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) e da Blender Foundation. Com o bloqueio, vídeos de cursos, conferências e apresentações ficaram indisponíveis aos usuários. No caso do MIT, quem sofreu foi o canal do curso OpenCourseWare. O canal disponibiliza aulas e palestras. Nos vídeos, foi exibida uma mensagem do YouTube retratando que o próprio MIT havia pedido os direitos autorais. O problema, como o Terra apresenta, é que as solicitações teriam sido feitas pela própria empresa. No canal da Blender, a mesma coisa aconteceu. O que o texto apresenta é um problema de detecção dos donos originais. Segundo a publicação, os proprietários possuem seus cadastros dentro do sistema ContentID, utilizado pelo próprio YouTube. Este sistema é usado para identificação automática de conteúdo protegido, mas que deleta os canais dos detentores oficiais. Apesar de ser um erro comum, essa é a primeira vez que o sistema chegou a excluir canais inteiros. Mesmo sem nenhum pronunciamento de qualquer um dos lados, o diretor da Blender, Ton Roosendaal, foi o único a revelar mais detalhes. De acordo com suas publicações no Twitter, ele afirmou estar relacionado com um erro nos sistemas de vídeos do Google. O Torrent Freak, que ajudou a divulgar os afetados, apontou que o problema vem em um momento complicado para o YouTube. O ocorrido foi pouco antes da importante votação do Parlamento Europeu, que aconteceu na última quarta (20).

A votação

Um dos comitês aprovou uma nova legislação de direitos autorais, como aponta o site Olhar Digital. Chamada Copyright Directive, ela exige que plataformas online que recebem uploads, passem a monitorar e filtrar dados, e assim, evitar a violação dos direitos. Um dos problemas, apontado por especialistas, está no alto custo do monitoramento. E o quanto isso pode comprometer o surgimento de novos negócios. Os usuários também podem ser afetados. Já que qualquer um poderia ser impedido até de fazer o download de algum vídeo ou música em seu serviço de nuvem. Além que, memes e paródias também correm o risco de serem bloqueados.
Olhando este cenário futuro, o YouTube sairia bem prejudicado.

Os direitos autorais além do MIT

Os canais do MIT e da Blender não foram os únicos a saírem prejudicados com o erro. O mesmo aconteceu com o Sparta Praga, time de futebol e de rúgbi tcheco. Que teve vídeos com as mesmas mensagens sobre o pedido de direitos. O canal do Rassemblement National, um dos maiores partidos políticos da França, chegou a ser removido. Marine Le Pen, líder do partido, comentou em uma entrevista ao canal Europe1, alegando que a medida era completamente falsa. "Nós podemos facilmente evocar o direito à citação para ilustrar porque o material estava dentro da lei", explica. Embora seja uma justificativa verdadeira, o filtro mal elaborado não consegue reconhecer o conteúdo lícito ou não. Apenas observa a assinatura digital. A Press Information Bureau, da Índia, também foi uma das afetadas. FONTES Fonte1 Fonte2 Fonte3 Sobre nós A influu é o ecossistema feito para influenciadores digitais. Com foco na monetização e profissionalização dos novos formadores de opinião, a empresa se divide em três áreas: criação de conteúdo para o blog, redes sociais e YouTube, realização periódica de eventos por todo Brasil e mediação entre influenciadores e marcas para campanhas de marketing.

Para entrar em contrato, mande um e-mail para [email protected]

Guilherme Pin

Jornalista, aspirante a crítico e roteirista de filmes, youtuber nas horas vagas e o Chandler M. Bing da roda de amigos.