Há uma frase que já pode ser considerada um clichê dentro do mundo do YouTube: "As pessoas só assistem vídeos curtos". Porém isso está longe de ser verdade. O tamanho do conteúdo é irrelevante perto da qualidade. Eu comprovarei isso utilizando os maiores, melhores e mais populares youtubers, e também direi qual eu julgo os poucos casos que não é uma boa opção fazer vídeos longos. Mas, antes de qualquer coisa, é bom entender o que são vídeos curtos e longos.

LEIA TAMBÉM: Precisa fazer roteiros para vídeos no YouTube?

O que são?

Não há uma minutagem estabelecida para definir se um vídeo é curto ou não. Por isso, esse tópico será um julgamento pessoal meu. Acredito que, no YouTube, o conteúdo curto é aquele de até sete minutos. Entre oito e dez pode ser considerado médio. E acima de 11 minutos, o vídeo é enquadrado como longo. Essa seria uma análise genérica, sem analisar tamanho do canal, público, nicho e formato. Essa é a razão por eu julgar os tópicos a seguir mais relevantes. Coisas superficiais não dizem muita coisa.

Passe o conteúdo, independente do tempo

O importante é sempre passar o conteúdo completo no tempo necessário. Ou seja, se eu for falar sobre a nova descoberta da ciência e precisar de 15 minutos para detalhá-la com qualidade, não adianta fazer um vídeo de 5 minutos e incompleto, só porque falam que o público consome coisas curtas e rápidas. O contrário também é verdade. Se posso editar um vídeo e deixar um conteúdo de qualidade de cinco minutos, não tem porquê fazer um de 15 minutos para falar sobre o assunto. Na verdade, essa é a função principal da edição: deixar só o mais interessante do vídeo com um ritmo dinâmico.

Exemplos

São muitos os exemplos de canais que se tornaram relevantes fazendo vídeos longos, curtos ou um mix dos dois. Por exemplo, Jovem Nerd, UTC (dos Castro Brothers) e Felipe Neto são canais que juntos somam quase 30 milhões de inscritos e dificilmente fazem vídeos com menos de 15 minutos.

Já outros canais como Manual do Mundo, Nostalgia, Desimpedidos e Omelete (todos entre 2,5 e 11 milhões de inscritos), fazem vídeos de tamanhos variados, dependendo dos quadros ou séries que estes estiverem inseridos. Os dois últimos acharam o formato de vídeos mais curtos em quadros de notícias, enquanto Castanhari é o que tem maior variação. São uns com mais de uma hora e outros com menos de oito minutos. O importante é passar o conteúdo desejado.

Por outro lado, Tiago Belotti, do Meus Dois Centavos, um dos maiores canais de crítica de cinema, faz vídeos com quatro minutos, menos da metade do resto de seu nicho. Isso funciona porque ele tem um poder de síntese excelente que permite abordar todos os elementos de um filme nesse tempo.

Quando não fazer vídeos longos?

Então está liberado fazer vídeos longos? Nem sempre. Eu acho que canais muito pequenos e com pouco público devem evitar passar dos 10 minutos. Isso porque o objetivo desses canais é atingir pessoas que não o conhecem. Agora pensa comigo, você clicaria para ver um vídeo de 20 minutos de um desconhecido? Provavelmente não. Nesse caso, os únicos temas que não precisam focar tanto no tempo são aqueles que as pessoas buscam para sanar dúvidas. Por exemplo, canais de tutoriais. Neles, independente do tamanho, o público só quer achar respostas e ponto. Outro tipo de vídeo que eu evitaria fazer muito longo são nichos como trollagens. Daquelas que são feitas várias vezes com pessoas diferentes no mesmo conteúdo. Esse é outro tipo de vídeo que se passar de 10 ou 12 minutos se tornará repetitivo e desinteressante.  

Sobre nós

A influu é o ecossistema feito para influenciadores digitais e focamos na monetização e profissionalização dos novos formadores de opinião. Assim, a empresa se divide em três áreas: criação de conteúdo para o blog, redes sociais e YouTube, realização periódica de eventos por todo Brasil, além de mediação entre influenciadores e marcas para campanhas de marketing.
Victor Russo

Tenho 22 anos e sou formado em jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Sou criador de conteúdo da influu e cubro os eventos da empresa. Amo cinema e tenho um canal no YouTube, chamado 16mm, sobre o tema. Além disso, tenho um podcast sobre NFL chamado Goatopolis.