Como já explicamos no texto sobre como funciona o strike no YouTube, ele é a punição mais perigosa que um produtor de conteúdo pode sofrer. Até pelo fato de conseguir deletar o seu canal. Por isso, o sistema sempre foi alvo de críticas pelos produtores e agora, nove anos depois desde a última mudança, a política do strike ganhou uma nova forma

Até então, a penalidade era gerada, principalmente pelo não cumprimento da lei de direitos autorais. Ou seja, basicamente utilizar conteúdo de terceiros sem autorização. Caso os detentores do conteúdo original se incomodarem, eles podem aplicar o strike no vídeo. A perda do canal acontece quando três strikes são tomados

 

Porém, ao tomar os três, seu canal não é excluído imediatamente. Há um direito de resposta da parte dos criadores de conteúdo. Nesse caso, o youtuber acusado pode emitir uma notificação contra o strike e o dono do conteúdo original tem dez dias para responder a notificação. Depois disso, o YouTube fica responsável de avaliar quem ganha e quem perde o caso. 

 

Com a mudança estabelecida nesta semana, o YouTube vai comunicar um alerta ao youtuber que realizar uma primeira violação. Nesse caso, não haverá uma penalidade direta. O que pode acontecer é a remoção do material considerado ofensivo. De acordo com o próprio YouTube, essa escolha é para dar tempo de aprender sobre as Diretrizes da Comunidade

Leia também: Vídeos com teorias da conspiração passam a ganhar menos destaque no YouTube

Só depois do aviso que o sistema dos três strikes entra em vigor. 

Agora, na primeira infração, ao invés de emitir uma proibição de 90 dias da transmissão ao vivo, o canal passa a ser congelado durante uma semana. No caso, o produtor será proibido de fazer qualquer conteúdo ao vivo e até mesmo upload. Caso haja uma segunda infração dentro dos 90 dias, o congelamento passa a durar duas semana. Na terceira, é a remoção completa da plataforma. 

O que seria uma infração no YouTube?

Sobre o que o YouTube considera infração na plataforma não muda muita coisa. No entanto, a empresa deixou claro que vai tratar todas as violações das Diretrizes da Comunidade da mesma forma

 

Assédio, bullying virtual, spam, metadados enganosos, golpes, exibição de informações pessoais de terceiros são alguns dos materiais que podem ser barrados. Sobre os direitos autorais, essa nova política é diferente. No caso, a partir de agora, o uso deles depende de solicitações legais dos detentores de copyright

 

Essa nova mudança acontece a partir da próxima segunda (25) e, segundo o YouTube, essa mudança vem como uma reposta aos usuários que achavam as punições inconsistentes. 

Leia também: Conheça a nova ferramenta do YouTube que ajudará o seu engajamento

FONTE

 

 

Guilherme Pin

Jornalista, aspirante a crítico e roteirista de filmes, youtuber nas horas vagas e o Chandler M. Bing da roda de amigos.