Com toda a evolução das redes sociais e dos aplicativos, jovens se encontram cada vez mais com essa tecnologia. Menos com o Facebook. Isso foi o que afirmou uma pesquisa do Pew Research Center sobre o abandono do Facebook por parte dos adolescentes. De acordo com o resultado, o Facebook perdeu 20% dos adolescentes nos últimos três anos. E neste ano, essa queda atingiu 51%. Embora a rede social ainda seja de grande uso dos usuários, ela já ficou pra trás para os adolescentes. Agora, para YouTube, Instagram e - acredite se quiser - Snapachat, a realidade é totalmente a inversa. As três redes, atualmente, contam com 85%, 72% e 69%, respectivamente, de usuários entre 13 e 17 anos. Nesses mesmos três anos, a porcentagem de adolescentes que usam a internet "quase constantemente" praticamente dobrou. Cerca de nove a cada dez adolescentes acessam a internet diversas vezes no mesmo dia. O principal fator para isso é a evolução dos smartphones. Tanto que hoje, 95% dos jovens possuem um ou têm acesso a um. Leia também: Entenda o que é o “Bem-Estar Digital” Apesar de toda essa globalização envolvendo os jovens, empreendedores não estão sabendo bem como reverter o abandono do Facebook.

A estratégia empresarial para o abandono do Facebook

O objetivo de empresas, como o Facebook, manterem esses ativos jovens utilizando seus "produtos" é refinando as marcas. Isso, antes de saltar para novas plataformas. No caso, seria apontar à autenticidade em mostrar o que seu produto - ou negócio - é de fato. Além de especificar sua missão e o que o faz se destacar em um mar de opções. Para Joseph F. Delaney III, sócio-fundador e diretor-gerente da agência Zero Studios, esse é o verdadeiro norte. Com uma forte marca, não é preciso se preocupar com a mudança na popularidade da plataforma online. É bem possível que seu público continue te acompanhando se mudar para novas plataformas. E souber quem você está tentando alcançar. Leia também: Influenciador millenial dá dicas de como vender sua marca nas redes sociais "Pense muito em quem é seu público quando você toma essas decisões". Isso é o que sugere Kathleen Booth, vice-presidente de marketing da IMPACT. Apesar dos dados mostrarem o abandono do Facebook por parte do público mais jovem, a plataforma ainda conta com valores para os profissionais mais antigos. Porém, empreendedores devem considerar como estão usando-o para divulgar seu produto ou serviço. Para Kathleen, o lançamento orgânico do Facebook acabou gerando resultados significativos. Porém, hoje eles não são mais relevantes. A vice-presidente direcionou os esforços de sua empresa para os grupos da rede social. Esses ambientes passaram por um ressurgimento nos últimos anos e tendem a trazer mais seguidores leais, provocando um aumento no engajamento. FONTE Sobre nós A influu é o ecossistema feito para influenciadores digitais. Com foco na monetização e profissionalização dos novos formadores de opinião, a empresa se divide em três áreas: criação de conteúdo para o blog, redes sociais e YouTube, realização periódica de eventos por todo Brasil e mediação entre influenciadores e marcas para campanhas de marketing.

Para entrar em contrato, mande um e-mail para [email protected]

Guilherme Pin

Jornalista, aspirante a crítico e roteirista de filmes, youtuber nas horas vagas e o Chandler M. Bing da roda de amigos.