Com o crescimento do marketing de influência nos últimos anos, outra expressão vem ganhando força: Marketing de Performance. Não é exclusiva do mundo dos influenciadores, mas aparece constantemente em campanhas entre digital influencers e empresas. Ela nada mais é do que um modelo de campanha, ou seja, o acordo que define como esse influenciador vai receber da marca. Como o nome já diz, o marketing de performance exige que o influenciador performe para ganhar dinheiro. Nisso, ele já se diferencia do branding, outro modelo utilizado no marketing de influência em que a marca só busca visibilidade e por isso não cobra resultados do influenciador, é quase uma campanha de marketing sem se revelar como tal. Dessa forma, o marketing de performance é uma campanha 100% voltada para o resultado. Mas ela é muito mais ampla do que essa definição. Dentro desse modelo existem vários formatos que uma marca pode utilizar para medir e pagar influenciadores. Dentre eles, os mais famosos são: CPI: O CPI é o custo por instalação (cost per install), voltado basicamente para empresas de aplicativos. Ou seja, o pagamento para o influenciador será feito de acordo com as pessoas que baixarem o aplicativo influenciadas por ele. CPA: CPC ou custo por aquisição (cost per acquisition) pode ser feito de diversas formas, como baixar o aplicativo ou fazer uma compra. Ele se assemelha ao CPI, mas não se restringe apenas aos aplicativos. Podem ser também plataformas ou sites. Um bom exemplo de CPA é o famoso "Usa meu cupom de desconto em tal loja". Aqui é fundamental o tracking, quer dizer, o caminho que o usuário percorreu para chegar na aquisição. CPS: CPS ou custo por vendas (cost per sale), não confundir com o CPV, se aproxima muito do CPA. Porém, o que é medido aqui é o número de vendas feitas a partir do influenciador. Dessa forma, esse influenciador vai receber um valor por cada venda, e se não vender nada não recebe nada. CPL: O custo por lead (cost per lead) é o de atrair um lead, ou seja, uma pessoa que tenha a probabilidade de comprar o seu produto, seja B2B ou B2C. CPC: O custo por clique (cost per click), como o nome já diz, será o valor pago por cada clique que o influenciador gerar. Um exemplo de CPC é um banner em um site. Geralmente ele vai custar um valor fixo para ficar ali e mais um preço pelos cliques que conseguir. CPV: O custo por visualizações (cost per view) é o mais comum em plataformas como YouTube e, mais recentemente, Facebook. Nele, o youtuber vai receber pelo número de visualizações que conseguir pelo vídeo ou período acordado. Na maioria das vezes, o influenciador acorda antecipadamente o valor pelo número de views que ele acha que conseguirá atingir. CPM: O CPM (cost per mille ou cost per thousand) é o custo por mil impressões. Ele é o que mais se aproxima do branding. Assista ao vídeo de Talita Lombardi, a Menina Executiva, sobre o marketing de performance:

  Sobre nós A influu é o ecossistema feito para influenciadores digitais. Com foco na monetização e profissionalização dos novos formadores de opinião, a empresa se divide em três áreas: criação de conteúdo para o blog, redes sociais e YouTube, realização periódica de eventos por todo Brasil e mediação entre influenciadores e marcas para campanhas de marketing.

Para entrar em contrato, mande um e-mail para [email protected]

Victor Russo

Tenho 22 anos e sou formado em jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Sou criador de conteúdo da influu e cubro os eventos da empresa. Amo cinema e tenho um canal no YouTube, chamado 16mm, sobre o tema. Além disso, tenho um podcast sobre NFL chamado Goatopolis.