Uma das coisas mais criticadas da internet é o bom e velho clickbait. Mas saiba que essa prática pode ser interessante no YouTube se utilizado de maneira inteligente e "ética". O grande problema desse formato de título é que ele é mal interpretado. A maioria das pessoas o associam aos títulos chamativos que não têm nada a ver com o conteúdo apresentado, seja em um texto ou vídeo. E sim, isso é uma maneira de fazer clickbait, mas é forma errada de utilizar essa ferramenta. Você pode fazer um título chamativo e, muitas vezes, apelativo, mas sobre a mesma coisa que você falará no conteúdo. Essa é a maneira positiva e válida de fazer um clickbait.

A diferença entre os dois tipos de clickbait

As duas maneiras vão ser eficientes para atrair público para o vídeo. Porém de nada adianta chamar pessoas e não conseguir mantê-las assistindo o máximo possível do conteúdo. E é aí que está a grande diferença entre os dois formatos. Se bem feito, você não estará sendo desonesto com seu público, só utilizará um título mais atrativo e clicável. Mas aquele título está relacionado com o conteúdo. Portanto esses usuários vão encontrar no vídeo exatamente o que buscavam e vão sair felizes (caso o conteúdo seja bom é claro). Se mal utilizado, você estará dando um tiro no próprio pé. Já que não adianta nada atrair pessoas se você não conseguir mantê-las. Isso abaixará o tempo de visualização do seu canal, pois elas entrarão e sairão logo em seguida ao perceberem que foram enganadas. Dessa forma, o YouTube entenderá que o seu conteúdo não é relevante e o recomendará para menos pessoas.

Exemplos

Rolandinho, do Pipocando, falou no influuteco que utiliza clickbait em seu canal constantemente. Ele é o exemplo do bom clickbait. Vejamos um exemplo: "5 ESCÂNDALOS que DESTRUIRAM os FILMES! 😱 🔥".

As palavras "escândalos" e "destruíram" deixam o título mais apelativo. Mas o vídeo não deixa de ser sobre brigas que atrapalharam produções de cinema. Agora se eu fizesse um vídeo com título "A grande revolução no Universo Marvel", e o conteúdo fosse sobre os personagens divulgados do filme da Capitã Marvel (que não é nada de inesperado ou de surpreendente), seria um exemplo de clickbait negativo. Porque o público vai entrar no vídeo esperando algo que vá revolucionar o universo, uma notícia bombástica ou algo do gênero. E, no final, eu apenas vou falar algo que nem está tão relacionado com o título e que está longe de ser uma super novidade.
Victor Russo

Tenho 22 anos e sou formado em jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Sou criador de conteúdo da influu e cubro os eventos da empresa. Amo cinema e tenho um canal no YouTube, chamado 16mm, sobre o tema. Além disso, tenho um podcast sobre NFL chamado Goatopolis.