Na maioria das vezes, eu diria que os haters são negativos. É difícil de lidar e requer muita paciência. Mas você sabia que o hater - ao querer te ofender, xingar ou o que quer que seja - estará ajudando a divulgar o seu vídeo? Quer dizer, ao tentar te prejudicar, ele estará te beneficiando de certa forma. Isso acontece porque os odiadores da internet sentem uma necessidade gigantesca de dar deslike e comentar os vídeos que não gostaram. O que não acontece necessariamente com os que gostam do conteúdo. Mas isso já expliquei melhor neste texto. A questão aqui é que as pessoas tem a falsa ilusão de que o deslike deixa de divulgar o conteúdo. E, por mais que não seja declarado, o deslike funciona quase da mesma forma  que o like. Ele ajuda sim o vídeo a ser mais espalhado para outras pessoas. Na verdade, a única função negativa dos deslikes é mostrar para os usuários que não viram o vídeo que as pessoas que já assistiram não gostaram. Já os comentários são mais benéficos ainda. Um comentário negativo vale o mesmo que um positivo e vai ajudar ainda mais a divulgar o vídeo. É uma lógica bem simples, o YouTube quer que os usuários assistam cada vez mais vídeos e interajam com os conteúdos. A partir do momento que um gera repercussão, vale a pena ele chegar a mais pessoas, independente se essa repercussão é elogiando ou criticando o vídeo. Ou seja, por mais que as pessoas odeiem um vídeo, este será divulgado se tiver várias interações. Porque é importante para a plataforma que várias pessoas critiquem um mau conteúdo para alertar outras. E, claro, entrar naquele vídeo para interagir com ele também. Pois se um vídeo ta repercutindo a tendência é que siga assim se mais pessoas assistirem.

Conclusão

Então, dessa forma, o hater acaba beneficiando o youtuber. Pois ao criticar, ele estará divulgando mais o vídeo, o que aumentará os views do canal.
Victor Russo

Tenho 22 anos e sou formado em jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Sou criador de conteúdo da influu e cubro os eventos da empresa. Amo cinema e tenho um canal no YouTube, chamado 16mm, sobre o tema. Além disso, tenho um podcast sobre NFL chamado Goatopolis.