Normalmente não é uma boa ideia atingir vários públicos distintos no YouTube. Uma das dicas mais recorrentes de youtubers experientes para iniciantes é: "Defina bem o seu público. Tentar atingir muita gente pode fazer com que não acerte ninguém". Por mais que essa ideia seja verdadeira, ela não é uma regra. Ou seja, há casos em que vale a pena produzir conteúdo para diversos públicos. Mas, se fizer isso, faça com consciência e planejamento. O essencial é engajar todos esses públicos. E saiba dividir o seu conteúdo em quadros. Isso facilitará cada umas dessas pessoas na hora de consumir apenas o que deseja. De certa forma, você terá "views diferentes". Por exemplo, os quadros A e B normalmente conquistam 10% de seus inscritos, enquanto o C tem média de 6% destes. Quem consome o A e B não assiste ao C e vice-versa. Por mais que esses números não sejam tão significativos sozinhos, eles se tornam expressivos se analisados da forma correta. Apesar de não acontecer em todos os vídeos, 16% (10% + 6%) dos seus inscritos são engajados com o seu conteúdo, o que é ótimo. Que fique claro, esse é um exemplo genérico e utópico. Até porque seria impossível que ninguém visse todos os quadros.

Quando atingir vários públicos é boa ideia?

Tamanho: É fundamental que o seu canal já tenha um número relevante de inscritos. Para engajar públicos distintos é necessário ter inscritos. Ou seja, evite começar a conta do zero com essa estratégia. Nicho: Quando eu falo de atingir vários públicos distintos, eu me refiro a pessoas dentro de um mesmo nicho. Seriam usuários de "subnichos diferentes". Como assim? Por exemplo, dentro do nicho de cinema há pessoas que gostam apenas de blockbusters, outras de cinema fora de circuito ou só de cinema nacional. Além disso, umas podem acompanhar curiosidades do tema que interessa, enquanto outras gostam de críticas ou até mesmo análises mais aprofundadas. Esses são vários subnichos que podem ser abordados dentro de um canal de cinema, em quadros separados. O mesmo não vale para nichos distintos. Isso quer dizer que ter um canal com quadros sobre cinema, games e lifestyle não é uma boa ideia.

E se quiser atingir nichos distintos?

Caso queira produzir conteúdo para muita gente e tenha um público relativamente grande e engajado, crie outros canais para falar desses demais temas. Isso é muito comum em contas de cultura pop. Como é o caso do Pipocando (Bunka Pop, Pipocando Música e Pipocando Games) e do Omelete (The Enemy). Ambos têm canais principais de cinema e secundários com outros temas do mundo pop/nerd. Outro exemplo é o Porta dos Fundos, que tem o Porta Afora como uma extensão direcionada para quem gosta de viagens.   Sobre nós A influu é o ecossistema feito para influenciadores digitais. Com foco na monetização e profissionalização dos novos formadores de opinião, a empresa se divide em três áreas: criação de conteúdo para o blog, redes sociais e YouTube, realização periódica de eventos por todo Brasil e mediação entre influenciadores e marcas para campanhas de marketing.

Para entrar em contrato, mande um e-mail para [email protected]

Victor Russo

Tenho 22 anos e sou formado em jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Sou criador de conteúdo da influu e cubro os eventos da empresa. Amo cinema e tenho um canal no YouTube, chamado 16mm, sobre o tema. Além disso, tenho um podcast sobre NFL chamado Goatopolis.