Como quase tudo na vida, quem chega primeiro leva vantagem. E, no YouTube, não foi diferente. Sem dúvida, muitos influenciadores que iniciaram seus canais no começo da plataforma tiveram "menos dificuldade". Antes era mais fácil crescer, não tem como negar. Mas, por que era mais tranquilo se antes tinha menos usuários? É uma lógica bem simples, apesar do menor público, a quantidade de produtores de conteúdo era infinitamente inferior. Então, os usuários tinham um leque muito menor de opções. Por isso, a primeira geração de youtubers cresceu rapidamente e se popularizou demais. Nomes como Rafinha Bastos, PC Siqueira, Cauê Moura, Felipe Neto e Felipe Castanhari ultrapassaram os limites da internet. Porém não é só a concorrência que está mais acirrada para os novos youtubers. O algoritmo também dificulta muito na hora de crescer. Isso porque essa ferramenta está muito mais desenvolvida do que na época dessa primeira geração. Hoje, é necessário ser muito mais profissional para bombar o canal, tanto no vídeo quanto em SEO. Frequência, metadados, iluminação, edição e áudio são apenas algumas das muitas dificuldades que um youtuber iniciante enfrenta. Isso fica mais claro se observarmos esses canais maiores e mais antigos. Muitos deles não sabem fazer tags ou descrição. Mas eles também não dependem tanto disso quanto os menores (Como expliquei neste texto). Portanto, se você é novo na plataforma, dedicação, persistência e muito estudo serão necessários.
Victor Russo

Tenho 22 anos e sou formado em jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Sou criador de conteúdo da influu e cubro os eventos da empresa. Amo cinema e tenho um canal no YouTube, chamado 16mm, sobre o tema. Além disso, tenho um podcast sobre NFL chamado Goatopolis.