Selo de verificação no YouTube: regras ficam mais difíceis


O selo de verificação no YouTube é uma conquista. Porém não é uma coisa definitiva. Parece que muitos youtubers deixarão de ser verificados.

Alguns usuários da plataforma afirmaram que já foram notificados da mudança. Eles receberam um e-mail que informava a nova regra.

Como funcionava antes

Até agora a coisa toda funciona de uma forma muito simples. Se mais de 100 mil pessoas estiverem inscritas no seu canal, você ganha o selo de verificação no YouTube.

Entretanto, a plataforma não acredita mais que esse modelo seja funcional ou ideal. Aliás, é juntamente o contrário.

No blog oficial do YouTube, encontra-se a seguinte mensagem:

“Isso funcionou bem quando o YouTube era menor, mas, como a plataforma e o ecossistema ficaram mais complexos, nós precisamos de novas maneiras de verificar a identidade dos canais e ajudar os usuários a encontrar o canal que eles estão procurando”

É importante lembrar que não há a necessidade de comprovar autenticidade do canal. Por isso, se alguém criar um canal fake e conseguir atingir o número de inscritos – talvez comprando os seguidores – essa pessoa terá a conta como verificada.

E é por isso que o YouTube resolveu fazer mudanças.

Nova regra para o selo de verificação no YouTube

A principal mudança é o fato de que o número de inscritos não é mais fundamental. A grande questão é que o selo de verificação serve para provar que uma pessoa é ela mesma. Por isso, é necessário ter cuidado.

Por mais que tudo continue sendo avaliado de forma automatizada, o YouTube deseja saber se há uma necessidade de comprovar a autenticidade do perfil. Isso será feito pela comprovação de fatores como autenticidade e proeminência.

Ou seja, se o canal pertence a quem diz pertencer e se há a necessidade de verificação. Qual o grau de popularidade dentro e fora da internet?

As mudanças devem começar a valer a partir de outubro. Por isso, se você é criador de conteúdo e achou injusto do fato de deixar de ter o selo de verificação do YouTube você tem até esse mês para recorrer da decisão.

Fontes 1 e 2