Não é engraçado: youtuber argentino ultrapassou limites


Recentemente um caso na Argentina chamou a atenção da mídia. Um youtuber teve antigos tuítes de “humor” divulgados. A questão é: o que ele escreveu não é engraçado, é criminoso. Quer saber mais?

Atenção: esse artigo trata de posts referentes a pedofilia. Por isso, pode ser um gatilho para pessoas que não estão bem. Não leia esse post se tiver alguma possibilidade de ele te fazer mal.

Hoje nós iremos expor um caso que aconteceu na Argentina. Mais uma vez se tratam de tuítes antigos. Entretanto, mesmo se tratando de outros tempos, os posts são tão pesados que se tornou impossível a defesa do influenciador.

Aliás, além de acenar que não é engraçado nada do que ele disse, o rapaz também está sendo chamado de pedófilo.

Como não é nada engraçado, mas sim muito grave o que influenciador disse, eu selecionei alguns tuítes menos graves para exemplificar o texto. Mas quero deixar claro que há coisa pior.

Mas vamos compreender melhor o que aconteceu.

O influenciador e a briga que gerou todo o caso

O youtuber Martin Círo é conhecido nas redes sociais como “La Faraona”. Ele tem mais de um milhão de seguidores e se envolveu em uma briga no Twitter recentemente.

A discussão era com o cantor de cumbia “El Dipy”. Em um momento da discussão “La Faraona” disse que Dipy tinha uma música que falava sobre o estupro coletivo de uma menina de 15 anos.

Dipy se defendeu afirmando que a letra era do dono da banda e que ele havia sido obrigado a gravá-la. Entretanto, ele não parou por aí, e começou a compartilhar tuítes antigos de La Faraona. O intuito era ser cômico, mas como eu disse, não é engraçado.

Amigo das crianças sempre, assim como o Padre Grassi

O padre Grassi é um padre que está preso e foi condenado a 15 anos de prisão por pedofilia.

Além disso, ele escreveu posts sobre querer ficar nu com crianças, sobre como amar meninos de 12 anos e como ele gostaria de tirar a virgindade deles.

Influenciador assume que não é engraçado…será?

Depois que os tuítes foram expostos na plataforma, o influencer foi parar no TT’s. Muitas pessoas estavam dizendo que a carreira dele acabou, a maioria o chamava de pedófilo.

Para se defender, ele gravou uma série de stories se justificando no Instagram.

“Além disso são tweets e coisas que pertencem a outro tempo meu, da sociedade e do Twitter também. Hoje quando me levantei e vi todas as capturas nem me reconheci escrevendo isso. Claro que eu escrevi, não estou tirando minha culpa por isso, mas eu disse ‘isso é horrível’. Nem acredito como pude escrever aquelas coisas achando que era engraçado, que era uma piada ou que alguém ia rir”.

Ele também alegou que com certeza é um insensível e um idiota, mas não um pedófilo.

A questão é que as pessoas precisam ser responsabilizadas pelo que dizem nas redes sociais. Não é engraçado e ainda por cima é criminoso. Afinal, o influenciador deve se lembrar de que ele influencia outras pessoas.

Além disso, o caso se torna mais grave pelo fato de que o influenciador fez piadas relacionadas ao abuso infantil de forma contínua e por anos.

No começo deste tópico escrevi um “será”, indicando que talvez ele não tenha se arrependido do que fez. Isso pelo fato de que o último post do influencer na rede social diz:

Eles dizem que eu fiz algo errado, então por quê parece tão bom?

Fontes 1 e 2