Instagrammers têm dados revelados na internet


Instagrammers têm dados revelados

A internet é um lugar inseguro, mas que envolve processos de confiança. Por isso, quando instagrammers – ou qualquer outra pessoa – têm dados revelados na internet isso precisa ser analisado. É muito importante a reflexão a respeito do que pode ser melhorado. 

Havia uma base de dados hospedada no Amazon Web Services (AWS). Nela, poderiam ser localizados os dados de cerca de 50 milhões de registros de usuários do Instagram – a maioria influenciadores digitais, porém algumas marcas também foram incluídas. Os dados estavam armazenados de forma pública. Ou seja, para ter acesso a eles não era necessário nem mesmo uma senha. 

O grande erro foi descoberto por Anurag Sen, um pesquisador de segurança. Ele relatou o problema ao site Techcrunch.

Além disso, foi feito um rastreamento da base de dados e chegou-se a conclusão de que ela pertence a uma empresa indiana chamada Chtrbox. A companhia atua na área de marketing por meio de redes sociais. Basicamente eles pagam para influenciadores por posts patrocinados por clientes. 

O que foi revelado?

O banco de dados tinha algumas informações que realmente são públicas, tais como:

  • Biografia;
  • Imagem de perfil;
  • Número de seguidores;
  • Localização;
  • Se era, ou não, um perfil verificado.

Porém, também estavam presentes informações pessoais:

  • Email pessoal;
  • Número de telefone;
  • Valor que deveria ser oferecido por campanha, usando como base o número de seguidores e o engajamento.

E a responsabilidade?

A base de dados já foi removida do ar, entretanto a empresa não quis se manifestar perante a imprensa a respeito do ocorrido. O Facebook – que é dono do Instagram – afirmou que irá averiguar o que aconteceu e dará um parecer o mais rápido possível. 

Aliás o Facebook deve mesmo querer dar uma resposta a respeito dessa questão, pois esse é o segundo caso em dois meses. Em março outra base de dados hospedada no Amazon Web Services estava disponível publicamente. Na ocasião estimou-se que se tratavam de meio bilhão de dados. 

Agora nos resta aguardar o posicionamento da plataforma.