Instagram sofre processo e pode pagar US$ 500 bilhões


O Instagram está enfrentando um processo bilionário que pode resultar em uma alta indenização. Apesar de não ser a primeira vez que a rede social está envolvida em um tema polêmico, este episódio, de fato, merece nossa atenção.

E isso porque o motivo do processo tem mais relação com os usuários do que se imagina. Confira a seguir.

Leia também: Globo processa Boca Rosa e pede indenização de R$500 mil

Instagram e o motivo do processo

Uma acusação de que o Instagram, pertencente ao Facebook, está coletando dados biométricos de seus usuários de forma ilegal tem movimentado as redes sociais.

A acusação, inclusive, aponta que a ação é ilegal, pois essa coleta de dados tem acontecido sem o consentimento dos usuários. E, justamente por isso, está sendo movido um processo, que prevê uma indenização de bilhões de dólares.

Intitulado Whalen vs. Facebook, a ação se baseia no uso da ferramenta de marcação de rostos. A funcionalidade, que usa inteligência artificial para o reconhecimento facial, é capaz de identificar as pessoas em fotos postadas nas redes sociais.

No entanto, a denúncia chama atenção para algo mais grave: não apenas os usuários do Instagram estão sendo identificados pela ferramenta. E isso porque a tecnologia tem sido aplicada para todas as pessoas que aparecem nas fotos – mesmo que a pessoa em questão não tenha perfil na rede social, ou seja, não tenha concordado com a política do Instagram.

Compartilhando dados biométricos com outras redes

Além disso, o processo alerta que o Facebook usa os dados obtidos com essa tecnologia em outras marcas do grupo e até mesmo com outras entidades.

O Instagram está sofrendo o processo nos Estados Unidos. A ação alega também que “o Facebook faz tudo isso sem fornecer nenhum dos avisos ou divulgações exigidos pela lei de Illinois.”

Segundo a lei do estado citado, seria proibida a coleta de dados biométricos quando esta não é consentida pelos usuários.

O Facebook, no entanto, nega as acusações e diz que elas não têm fundamento.

Fonte