Brooke Houts é criticada por maltratar cachorro em vídeo


Brooke Houts e sua ideia de vídeo

Brooke Houts é uma youtuber americana. Ela tinha quase 340 mil inscritos no seu canal, mas perdeu muitos nas últimas semanas. O motivo? Um vídeo no qual ela maltrata o seu cachorro.

A influenciadora queria fazer um vídeo do “The Invisible Challeng” – no Brasil conhecido como “Desafio da Parede Invisível”. Para quem não conhece, é aquele gravado com um cachorro.

O dono do cão corre e pula por cima de uma “parede” de filme plástico. Por isso, o cachorro acaba ficando confuso. Aliás, a graça é justamente ver como o animal reagirá à essa novidade.

Exemplo do Desafio da Parede Invisível

Mas o que aconteceu?

Durante as gravações, Brooke Houts teve uma série de problemas com o cachorro dela, da raça Doberman.

Ou seja, não é um cachorro pequeno. Pessoas que lidam com animais desse porte sabem – ou deveriam saber – que eles são fortes e suas brincadeiras podem ser invasivas.

Porém, parece que Brooke não tem muita paciência com o cachorro. No vídeo que está rodando na internet, ela bate e empurra o Doberman. Além disso, ela também cospe e chuta o cachorro.

Consequências

Rapidamente as criticas na internet começaram. As pessoas ficaram muito revoltadas com a forma como a influenciadora tratou o animal.

Por isso, ela está perdendo muitos seguidores no YouTube. Inclusive Brooke já até tirou sua conta no Instagram do ar para poder fugir das críticas.

Porém, não foram apenas os críticos que viram o vídeo. A polícia de Los Angeles já informou – de acordo com o BuzzFeed – que ela será investigada pro maltratar animais.

Brooke Houts tentou se defender

Para se defender e tentar manter sua imagem, a influenciadora postou um texto no Twitter.

Vamos colocar aqui a tradução livre dessa carta aberta. Para facilitar a leitura, eu vou dividir a carta em alguns sessões:

Sobre o vídeo

“Nada do que eu diga vai fazer com que as pessoas que acreditam que eu seja má mudem de opinião. E eu sei disso. Mas quero me desculpar com qualquer pessoa que foi afetada negativamente pelo vídeo.

(…)No dia em que o vídeo foi filmado, na verdade nessa semana, as coisas da minha vida têm acontecido de uma forma fora do comum. Eu não vou usar a “carta de vítima” nem nada assim, mas quero deixar claro que eu raramente estou tão brava quanto nesse vídeo. A Brook super animada que vocês costumam ver nos meus vídeos é geralmente uma boa representação de mim, entretanto é claro que não é assim nesse vídeo, no qual eu estou claramente frustrada.

Falando mais sobre a própria personalidade

Tendo dito isso, deixo claro que eu sei que isso não justifica o fato de eu ter gritado com meu cachorro da forma como eu fiz. Eu deveria ter ficado tão brava quanto estava no vídeo? Não. Eu deveria ter gritado com o meu cachorro? Não. Porém, quando meu Doberman de 34 quilos está pulando na minha cara com sua boca aberta, como a mãe de um cachorro, eu tenho que mostrar para ele que esse comportamento é inaceitável. Mas eu quero esclarecer que, independentemente do que o meu cão faça, eu não deveria ter agido dessa maneira com ele

Quero deixar claro que eu não sou uma abusadora de cachorros ou de qualquer outro animal. Qualquer um que já tenha testemunhado ou ouvido uma situação real de abuso de animais pode ver isso de forma clara. Meu cachorro não se machucou com nenhuma das minhas ações no filme. Porém eu sei o que as pessoas vão dizer “você não sabe realmente o que ele sentiu” e isso é verdade. Mas se ele tivesse algum sentindo algum tipo de dor física, a história seria diferente. Além disso, eu não cuspi no cachorro, mas eu entendo que ficou parecendo que eu fiz isso. (…)

Sobre o treinamento do cachorro

Eu e minha família queremos que ele seja adestrado, entretanto isso é muito caro, pois teria que ser particular. Uma vez ele foi atacado por um cachorro e, por isso, não se sente confortável com outros cães. Ele fica preso em mim como velcro toda vez que vê outro cão, mesmo que seja um chihuahua. Por isso, eu não consigo imaginar que ele se desse bem em um treinamento em grupo. Mas eu sei que eu posso aprender técnicas mais efetivas para que ele possa gastar energia, mas se manter disciplinado.

Qualquer pessoa que me conhece sabe que eu tenho um amor imenso por animais e isso inclui o meu. Eu nunca faria nada proposital para ferir um animal de forma física ou psicológica. De novo, eu não deveria ter gritado com ele ou ter sido tão agressiva quanto eu fui, e eu sei disso. Mas ele nunca foi machucado por mim. Eu sei que esse comportamento físico dele acontecerá novamente no futuro, mas eu não agirei mais dessa forma que aparece no vídeo. (…)”

Além disso, ela esclareceu como irá proceder com suas redes sociais. Disse que não vai ler todas as mensagens por causa da própria saúde mental e garantiu que o cachorro será adestrado.

Ela também garantiu que o texto não era para se justificar, mas sim, esclarecer o que foi mostrado no vídeo.

Fontes 1, 2 e 3